Igreja

Rádio GOTHMLP

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Reflexão ao Evangelho de hoje - Jo 10, 11-18

Deus afirmou, através do Profeta Jeremias, que ele daria ao seu povo pastores segundo o seu coração e, mais tarde, pela boca do Profeta Ezequiel, que ele mesmo seria o pastor do seu povo. O Evangelho de hoje nos mostra que Deus está cumprindo a sua promessa, pois o Filho, segunda Pessoa da Santíssima Trindade, é quem afirma: "Eu sou o bom pastor". É o próprio Deus que se coloca a serviço das pessoas com a finalidade de reuni-las num único rebanho. E hoje a Igreja, o Corpo Místico de Cristo, é a continuadora da obra do Pastor, de modo que nela o ser humano é convidado a participar da divina missão do pastoreio.

O Purgatório e a Oração pelos Mortos

“Poupai vossas lágrimas pelos defuntos e dai-lhes mais orações”. (São José Crisóstomo)
Algumas pessoas dizem, erroneamente, que não adianta orar pelos mortos, pois a oração deve ser somente por aqueles que estão em vida. Para entender melhor a questão convém fazermos um resumo do que acontece com os que morrem.
Os que morrem na graça de Deus e não têm nenhuma falta a satisfazer salvam-se e vão diretamente ao Céu.
Os que durante esta vida rejeitam a Deus como Criador e a Jesus Cristo como Salvador, bem como os que morrem em pecado mortal, condenam-se e vão para o inferno.
Aqueles que morrem em pecado venial ou que não satisfizeram inteiramente por seus pecados, também se salvam, mas passando antes pelo Purgatório para aí satisfazerem por suas faltas e purificarem plenamente suas almas para a visão beatífica.
O Purgatório é, pois, temporário e não definitivo. É um lugar de sofrimentos onde as almas dos justos acabam de expiar seus pecados antes de entrarem no Céu.  O suplício das almas que ali se acham não é a reprovação eterna. Expiam e reparam na certeza de serem admitidas no Céu. Saem quando a purificação é completa.
Santa Teresinha está no céu e quer interceder por seus pedidos a Deus. Veja aqui como receber a Novena das Rosas e dirija suas preces a esta santinha que hoje vive nos céus

O Purgatório não deve durar sempre. Após o Juízo Final não existirá mais. Só haverá Céu e Inferno.

Vai para o Purgatório, qualquer pecador – perdoado embora – que não tiver feito cabal penitência e a quem sobrar alguma dívida para com a justiça de Deus, bem como toda alma justa imperfeita, isto é, a alma de quem comete pecados veniais sem fazer reparação suficiente. Pecados veniais como: pequenas negligências no cumprimento do dever, as mentiras leves, os cuidados vaidosos ou com algo de sensual, as palavras pouco caridosas, etc.
Nós, aqui na terra, podemos e devemos aliviar as almas do Purgatório, antes de tudo como um dever de caridade fraterna, pois elas curtem dores cruéis sem nada poder fazer a favor de si próprias.
Além disso é um dever de justiça, pois estas almas são aquelas de nossos pais, benfeitores, ou amigos, que padecem, quem sabe se, direta ou indiretamente, por causa de nós.
Ademais é um dever de interesse pessoal, porque quem auxilia as almas do Purgatório ou quem as liberta dos tormentos, obtém, junto de Deus, advogados e protetores que intercederão a seu favor.
Isto nos valerá também porque Deus empregará conosco a mesma misericórdia que tivermos mostrado para como os outros.
São muitos os meios que se pode utilizar para aliviar as almas do Purgatório. Acima de tudo, o santo sacrifício da Missa, especialmente por causa dos seus méritos infinitos. Em seguida, a oração – cuja eficácia se verifica até na outra vida; as esmolas – que apagam os pecados e cujo mérito podemos ceder em proveito das almas dos defuntos; as indulgências – que, segundo permissões da Igreja, podem ser aplicadas às almas do Purgatório.
Portanto, quanto às almas que padecem no Purgatório, quantas horas de sofrimento poderemos poupar-lhes se lhes oferecermos o mérito satisfatório das nossas orações, do nosso trabalho e das nossas dores, as indulgências ligadas às Ladainhas, ao Anjo do Senhor, ao Terço (ou Rosário), às jaculatórias…
Fonte: “Curso de Instrução Religiosa – Catecismo de Perseverança e de Educação de Pessoas do Mundo” – Mons. Cauly

A água benta e seu uso em favor das Almas do Purgatório

Usada com fé e confiança, a água benta tem grande valor para o corpo e alma, assim como constitui recurso eficiente em favor das almas do Purgatório.
Cada vez que o Sacerdote benze a água, ele o faz em nome da Igreja e na qualidade de seu representante, cujas orações nosso Divino Salvador sempre aceita com benevolência.
Por conseguinte, quando se toma água benta e com algumas gotas asperge a si ou um objeto, presente ou ausente, é como se de novo subissem ao Céu as orações da Igreja, para atrair as bênçãos divinas sobre o corpo e a alma, assim como sobre os objetos aspergidos com a água benta. É também a água benta uma poderosa arma para se dissipar os maus espíritos. São muitos os exemplos demonstrativos do temor e horror que Satanás e os demônios têm pela água benta.
Como, porém, se explica que também se possa aplicar a água benta em favor de pessoas distantes e até às almas do Purgatório?
Cada vez que se oferece, mesmo à distância, água benta, na intenção de um ente querido, sobe aos Céus a oração da Igreja anexa à mesma e induz o Coração Sacratíssimo de JESUS a tomar sob sua proteção no corpo e na alma esses teus entes queridos.
O mesmo acontece quando usamos a água benta em favor das almas do Purgatório.
Quanto alívio podemos nós concedermos a uma alma sofredora, por meio de uma gotinha de água benta!
O Venerável Padre Domingos de Jesus, segundo o costume da Ordem Carmelitana, tinha uma caveira sobre a mesa de sua cela. Certo dia, ao ter aspergido essa caveira com água benta, a mesma começou a bradar em alta voz suplicando: mais água benta! porque ela alivia o ardor das chamas horrivelmente dolorosas.
E com efeito, uma gotinha de água benta tem muitas ve­zes maior eficácia do que uma longa oração porque nossa oração muitas vezes é feita com descuido e distraidamente. Diferente é a oração da Igreja intercedendo, por meio da água benta. Oração que agrada sempre a Nosso Senhor JESUS CRISTO, em qualquer lugar onde lhe for apresentada em nome da Santa Igreja.
Por isso, as almas do Purgatório tanto anseiam pelo uso da água benta e se pudéssemos ouvir as suas súplicas por uma gotinha de água benta, certamente nos aplicaríamos mais assiduamente em seu uso, ao menos de manhã e à noite e algumas vezes durante o dia.
Quantas vezes por dia entras e sais do quarto! Não te será difícil deixar cair nessas ocasiões uma gotinha de água benta no Purgatório.
Que alegria causarias com isso às almas do Purgatório e que mérito colherias por meio da prática desse ato de caridade para ti mesmo e os teus; pois as benditas almas não se mostram ingratas. No mesmo momento em que as favorecemos, levantam suas mãos ao céu e rezam com tal fervor por seus benfeitores como não poderão fazer as pessoas mais justas do mundo. E DEUS ouve-lhes com predileção a oração e envia suas graças abundantes sobre os benfeitores delas.
Há católicos que não saem de casa sem, antes, aspergirem três gotinhas de água benta; uma para si e seus entes queridos, a fim de que Nosso Senhor os proteja de todos os perigos no corpo e na alma; uma outra para os moribundos, especialmente para os pecadores moribundos, a fim de que DEUS, na última hora, ainda lhes conceda a graça da conversão; e uma terceira em favor das almas benditas. Quanto é meritório tal modo de proceder. Imitemo-lo!

LITURGIA DIÁRIA

SANTO DO DIA: São Pio V, Papa; São Lourenço de Novara, presbítero e mártir; São José Bento de Cottolengo
Primeira leitura: Atos dos Apóstolos 11,1-18
Leitura dos Atos dos Apóstolos:
Naqueles dias, 1os apóstolos e os irmãos, que viviam na Judéia, souberam que também os pagãos haviam acolhido a Palavra de Deus. 2Quando Pedro subiu a Jerusalém, os fiéis de origem judaica começaram a discutir com ele, dizendo: 3"Tu entraste na casa de pagãos e comeste com eles!" 4Então, Pedro começou a contar-lhes, ponto por ponto, o que havia acontecido: 5"Eu estava na cidade de Jope e, ao fazer oração, entrei em êxtase e tive a seguinte visão: Vi uma coisa parecida com uma grande toalha que, sustentada pelas quatro pontas, descia do céu e chegava até junto de mim. 6Olhei atentamente e vi dentro dela quadrúpedes da terra, animais selvagens, répteis e aves do céu. 7Depois ouvi uma voz que me dizia: 'Levanta-te, Pedro, mata e come'. 8Eu respondi: 'De modo nenhum, Senhor! porque jamais entrou coisa profana e impura na minha boca'. 9A voz me disse pela segunda vez: 'Não chames impuro o que Deus purificou'. 10Isso se repetiu por três vezes. Depois a coisa foi novamente levantada para o céu. 11Nesse momento, três homens se apresentaram na casa em que nos encontrávamos. Tinham sido enviados de Cesaréia à minha procura. 12O Espírito me disse que eu fosse com eles sem hesitar. Os seis irmãos que estão aqui me acompanharam e nós entramos na casa daquele homem. 13Então ele nos contou que tinha visto um anjo apresentar-se em sua casa e dizer: 'Manda alguém a Jope para chamar Simão, conhecido como Pedro. 14Ele te falará de acontecimentos que trazem a salvação para ti e para toda a tua família'. 15Logo que comecei a falar, o Espírito Santo desceu sobre eles, da mesma forma que desceu sobre nós no princípio. 16Então eu me lembrei do que o Senhor havia dito: 'João batizou com água, mas vós sereis batizados no Espírito Santo'. 17Deus concedeu a eles o mesmo dom que deu a nós que acreditamos no Senhor Jesus Cristo. Quem seria eu para me opor à ação de Deus?" 18Ao ouvirem isso, os fiéis de origem judaica se acalmaram e glorificaram a Deus, dizendo: "Também aos pagãos Deus concedeu a conversão que leva para a vida!"

- Palavra do Senhor
- Graças a Deus

SALMO 42-43
- Assim como a corça suspira pelas águas correntes, suspira igualmente minh'alma por vós, ó meu Deus!
R: Minha alma suspira por vós, ó meu Deus.

- A minh'alma tem sede de Deus, e deseja o Deus vivo. Quando terei a alegria de ver a face de Deus?
R: Minha alma suspira por vós, ó meu Deus.

- Enviai vossa luz, vossa verdade: elas serão o meu guia; que me levem ao vosso Monte santo, até vossa morada!
R: Minha alma suspira por vós, ó meu Deus.

- Então irei aos altares do Senhor, Deus da minha alegria. Vosso louvor cantarei, ao som da harpa, meu Senhor e meu Deus!
R: Minha alma suspira por vós, ó meu Deus.

Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 10,1-10
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João:

Naquele tempo, disse Jesus: 1"Em verdade, em verdade vos digo, quem não entra no redil das ovelhas pela porta, mas sobe por outro lugar, é ladrão e assaltante. 2Quem entra pela porta é o pastor das ovelhas. 3A esse o porteiro abre, e as ovelhas escutam a sua voz; ele chama as ovelhas pelo nome e as conduz para fora. 4E, depois de fazer sair todas as que são suas, caminha à sua frente, e as ovelhas o seguem, porque conhecem a sua voz. 5Mas não seguem um estranho, antes fogem dele, porque não conhecem a voz dos estranhos". 6Jesus contou-lhes esta parábola, mas eles não entenderam o que ele queria dizer. 7Então Jesus continuou: "Em verdade, em verdade vos digo, eu sou a porta das ovelhas. 8Todos aqueles que vieram antes de mim são ladrões e assaltantes, mas as ovelhas não os escutaram. 9Eu sou a porta. Quem entrar por mim, será salvo; entrará e sairá e encontrará pastagem. 10O ladrão só vem para roubar, matar e destruir. Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância".

- Palavra da salvação
- Glória a Vós, Senhor

HOMENS DO TERÇO CELEBRA MAIS UM TERÇO EM AÇÃO DE GRAÇAS

     A noite deste sábado foi dedicada ao aniversáriante José Gomes de Lima; a  realização marcando a sua data de muitas felicidades, foi realizada em sua residência com a celebração do terço de mãe rainha sendo rezado pelo terço dos homens da Igreja de São Francisco de Assis.  A noite de homenagens ao aniversariante foi ressaltada pelas falas iniciais de sua esposa Djanira Ferreira que agradeceu a oportunidade de realizar mais um ano de vida ao lado do seu esposo. Logo em seguida, após a celebração cristã, a noite deu continuidade com muita festa com direito a alegrias e recordações de tempos marcantes de sua história.  O Ex- Prefeito e saudoso homem de histórias vividas em nosso município, apenas disse: “ Sou feliz por ter pessoas que me considera um passo decisivo não só na história passada, mais como também em um futuro de novas continuações com a ajuda de minha família”.

 Fotos: Gilceane Bolg Barros Preto 24horas







sexta-feira, 27 de abril de 2012

O que é exorcismo?

Exorcismo, na Igreja Católica, é o ritual de expulsar demônios de pessoa(s) ou libertar objetos ou lugares da influência demoníaca.
Deriva-se da palavra grega exorkismós (fazer jurar alguém, adjurar). Mas no tempo dos apóstolos se empregou também no sentido de “expulsar”. (At 19, 13.)
Nosso Senhor Jesus Cristo praticou exorcismos e é dele que a Igreja recebeu o poder de expulsar os demônios. (Mt 10, 1.)
O exorcismo efetua-se não só com orações e bênçãos, mas especialmente por uma ordem categórica dirigida ao demônio. (Exi ab eo, immunde Spiritus.) Há várias espécies de exorcismo:
a) O pequeno exorcismo do batismo (exorcismo batismal), já praticado no século III; da bênção da água e dos santos óleos na quinta-feira santa.
b) O grande exorcismo, prescrito no Ritual, para livrar os possessos do poder do demônio, conhecido desde o século VIII; chama-se também solene. Seu uso depende da licença do bispo; mas também é lícito e eficaz o exorcismo privado, por  exemplo, pelo uso do SS. Nome de Jesus, etc.
 Referências: “Curso de Liturgia” – Pe. João Batista Reus, S. J. e “Católico pode ou não pode? Por quê?” – Pe. Alberto Gambarini
 Exorcismo Breve
“São Miguel Arcanjo, defendei-nos no combate, cobri-nos com o vosso escudo contra os embustes e ciladas do demônio. Subjugue-o Deus, instantemente o pedimos. E vós, príncipe da milícia celeste, pelo divino poder, precipitai no inferno a Satanás e a todos os espíritos malignos que andam pelo mundo para perder as almas. Amém”.
Em seguida, persignar-se com água benta.

LITURGIA DIÁRIA

SANTO DO DIA: Beata Maria Antonia Bandrés y Elósegui, virgem; São Pedro Armengol, Confessor
Primeira leitura: Atos dos Apóstolos 9,1-20
Leitura dos Atos dos Apóstolos:

Naqueles dias, 1Saulo só respirava ameaças e morte contra os discípulos do Senhor. Ele apresentou-se ao Sumo sacerdote 2e pediu-lhe cartas de recomendação para as sinagogas de Damasco, a fim de levar presos para Jerusalém os homens e mulheres que encontrasse seguindo o Caminho. 3Durante a viagem, quando já estava perto de Damasco, Saulo, de repente, viu-se cercado por uma luz que vinha do céu. 4Caindo por terra, ele ouviu uma voz que lhe dizia: "Saulo, Saulo, por que me persegues?" 5Saulo perguntou: "Quem és tu, Senhor?" A voz respondeu: "Eu sou Jesus, a quem tu estás perseguindo. 6Agora, levanta-te, entra na cidade, e ali te será dito o que deves fazer". 7Os homens que acompanhavam Saulo ficaram mudos de espanto, porque ouviam a voz, mas não viam ninguém. 8Saulo levantou-se do chão e abriu os olhos, mas não conseguia ver nada. Então pegaram nele pela mão e levaram-no para Damasco. 9Saulo ficou três dias sem poder ver. E não comeu nem bebeu. 10Em Damasco, havia um discípulo chamado Ananias. O Senhor o chamou numa visão: "Ananias!" E Ananias respondeu: "Aqui estou, Senhor!" 11O Senhor lhe disse: "Levanta-te, vai à rua que se chama Direita e procura, na casa de Judas, por um homem de Tarso chamado Saulo. Ele está rezando". 12E, numa visão, Saulo contemplou um homem chamado Ananias, entrando e impondo-lhe as mãos para que recuperasse a vista. 13Ananias respondeu: "Senhor, já ouvi muitos falarem desse homem e do mal que fez aos teus fiéis que estão em Jerusalém. 14E aqui em Damasco ele tem plenos poderes, recebidos dos sumos sacerdotes, para prender todos os que invocam o teu nome". 15Mas o Senhor disse a Ananias: "Vai, porque esse homem é um instrumento que escolhi para anunciar o meu nome aos pagãos, aos reis e ao povo de Israel. 16Eu vou mostrar-lhe quanto ele deve sofrer por minha causa". 17Então Ananias saiu, entrou na casa, e impôs as mãos sobre Saulo, dizendo: "Saulo, meu irmão, o Senhor Jesus, que te apareceu quando vinhas no caminho, ele me mandou aqui para que tu recuperes a vista e fiques cheio do Espírito Santo". 18Imediatamente caíram dos olhos de Saulo como que escamas e ele recuperou a vista. Em seguida, Saulo levantou-se e foi batizado. 19Tendo tomado alimento, sentiu-se reconfortado. Saulo passou alguns dias com os discípulos de Damasco, 20e logo começou a pregar nas sinagogas, afirmando que Jesus é o Filho de Deus.

- Palavra do Senhor
- Graças a Deus

SALMO 117
Cantai louvores ao Senhor, todas as gentes, povos todos, festejai-o!
R: Ide, por todo o mundo, a todos pregai o Evangelho.

Pois comprovado é o seu amor para conosco, para sempre ele é fiel!

R: Ide, por todo o mundo, a todos pregai o Evangelho.
Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 6,52-59
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus:
Naquele tempo, 52os judeus discutiam entre si, dizendo: "Como é que ele pode dar a sua carne a comer?" 53Então Jesus disse: "Em verdade, em verdade vos digo, se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós. 54Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia. 55Porque a minha carne é verdadeira comida e o meu sangue, verdadeira bebida. 56Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele. 57Como o Pai, que vive, me enviou, e eu vivo por causa do Pai, assim o que me come viverá por causa de mim. 58Este é o pão que desceu do céu. Não é como aquele que os vossos pais comeram. Eles morreram. Aquele que come este pão viverá para sempre". 59Assim falou Jesus, ensinando na sinagoga em Cafarnaum.

- Palavra da salvação
- Glória a Vós, Senhor
Comentário ao Evangelho do dia feito por Bem-aventurada Teresa de Calcutá
(1910-1997), fundadora das Irmãs Missionários da Caridade - Jesus, a Palavra, cap. 6

«Quem come a Minha carne e bebe o Meu sangue fica
a morar em Mim e Eu nele»
Com que ternura nos fala Jesus quando Se oferece aos Seus na Sagrada Comunhão: «A Minha carne é uma verdadeira comida e o Meu sangue uma verdadeira bebida. Quem realmente come a Minha carne e bebe o Meu sangue fica a morar em Mim e Eu nele». Que mais poderia dar-me o meu Jesus que o Seu corpo em alimento? Não, Deus não poderia ter feito mais, nem revelar-me maior amor.
A Sagrada Comunhão, como a própria palavra o diz, é a união íntima de Jesus com a nossa alma e o nosso corpo. Se queremos ter a vida e possuí-la de maneira mais abundante, temos de viver do corpo de Nosso Senhor. Efectivamente, os santos compreenderam-no tão bem que passavam horas em preparação e mais ainda em acção de graças. Quem poderá explicá-lo? «Oh, que profundidade de riqueza, de sabedoria e de ciência é a de Deus! Como são insondáveis as Suas decisões, exclama Paulo, e impenetráveis os Seus caminhos! Quem conheceu o pensamento do Senhor? (Rm 11,33-34).
Quando acolheis Cristo no vosso coração após a fracção do Pão Vivo, lembrai-vos do que Nossa Senhora terá sentido enquanto o Santo Espírito a envolvia na Sua sombra, e que Ela, que era cheia de graça, recebeu o corpo de Cristo (Lc 1,26ss). O Espírito era tão forte nela que de imediato «levantou-se à pressa» (v. 39) para ir servir.

quinta-feira, 26 de abril de 2012

CONVITE MISSA DE 30º DIA DE MARIA LUCINEIDE DA SILVA


“As pessoas sempre chegam na hora exata nos lugares onde estão sendo
esperadas”.
Os Familiares de MARIA LUCINEIDE DA SILVA convidam parentes e amigos para missa de 30º dia de falecimento, a realizar-se na Igreja de São Francisco de Assis.
Por mais este ato de fé, piedade cristã e amizade, antecipa seus sinceros agradecimentos.

Os Familiares

Hoje Tem Terço Dos Homens:

HOJE DIA 26.04.2012 O GRUPO DO TERÇO DOS HOMENS MÃE RAINHA ÁS 19:00H NA IGREJA DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS, PARTICIPARÁ DE UM MOMENTO DE ORAÇÃO DIANTE DO SANTÍSSIMO SACRAMENTO, VENHA PARTICIPAR DESTE BELO MOMENTO.

REFLEXÃO AO EVANGELHO DE HOJE

Reflexão - Jo 6, 44-51 
 
Um dos elementos fundamentais na fé católica é o primado da graça. Se Deus não age, nós não podemos agir, nos tornamos incapazes de fazer o bem. Para nós, o bem maior é conhecer Jesus, sermos capazes de ir até ele, mas isso só é possível pela atuação da graça. Mas, se por um lado, a graça é necessária para chegarmos até Jesus, por outro lado, Deus respeita a nossa liberdade, de modo que associada à graça divina, deve estar a nossa procura de Cristo. De nada adianta a graça nos mostrar que Jesus é o Pão da vida descido do céu para ser alimento de vida eterna a todos nós, se nós não queremos vê-lo.

LITURGIA DIÁRIA

SANTO DO DIA: São Rafael Arnáiz Barón, religioso; São Pascásio Radberto, Abade de Córbia
Primeira leitura: Atos dos Apóstolos 8,26-40
Leitura dos Atos dos Apóstolos:
Naqueles dias, 26um anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: "Prepara-te e vai para o sul, no caminho que desce de Jerusalém a Gaza. O caminho é deserto". Filipe levantou-se e foi. 27Nisso apareceu um eunuco etíope, ministro de Candace, rainha da Etiópia, e administrador geral do seu tesouro, que tinha ido em peregrinação a Jerusalém. 28Ele estava voltando para casa e vinha sentado no seu carro, lendo o profeta Isaías. 29Então o Espírito disse a Filipe: "Aproxima-te desse carro e acompanha-o". 30Filipe correu, ouviu o eunuco ler o profeta Isaías e perguntou: "Tu compreendes o que estás lendo?" 31O eunuco respondeu: "Como posso, se ninguém mo explica?" Então convidou Filipe a subir e a sentar-se junto a ele. 32A passagem da Escritura que o eunuco estava lendo era esta: "Ele foi levado como ovelha ao matadouro; e qual um cordeiro diante do seu tosquiador, ele emudeceu e não abriu a boca. 33Eles o humilharam e lhe negaram justiça; e seus descendentes, quem os poderá enumerar? Pois sua vida foi arrancada da terra". 34E o eunuco disse a Filipe: "Peço que me expliques de quem o profeta está dizendo isso. Ele fala de si mesmo ou se refere a algum outro?" 35Então Filipe começou a falar e, partindo dessa passagem da Escritura, anunciou Jesus ao eunuco. 36Eles prosseguiam o caminho e chegaram a um lugar onde havia água. 37Então o eunuco disse a Filipe: "Aqui temos água. O que impede que eu seja batizado?" 38O eunuco mandou parar o carro. Os dois desceram para a água e Filipe batizou o eu­nuco. 39Quando saíram da á­gua, o Espírito do Senhor arrebatou a Filipe. O eunuco não o viu mais e prosseguiu sua viagem, cheio de alegria. 40Filipe foi parar em Azoto. E, passando adiante, evan­gelizava todas as cidades até chegar a Cesaréia.

- Palavra do Senhor
- Graças a Deus

SALMO 66
- Nações, glorificai ao nosso Deus, anunciai em alta voz o seu louvor! É ele quem dá vida à nossa vida, e não permite que vacilem nossos pés.
R: Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira.

- Todos vós que a Deus temeis, vinde escutar: vou contar-vos todo bem que ele me fez! Quando a ele o meu grito se elevou, já havia gratidão em minha boca!
R: Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira.

- Bendito seja o Senhor Deus que me escutou, não rejeitou minha oração e meu clamor, nem afastou longe de mim o seu amor!

R: Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira.

Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 6, 44-52
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus:
Naquele tempo, disse Jesus à multidão: 44"Ninguém pode vir a mim, se o pai que me enviou não o atrai. E eu o ressuscitarei no último dia. 45Está escrito nos Profetas: ‘Todos serão discípulos de Deus'. Ora, todo aquele que escutou o Pai e por ele foi instruído, vem a mim. 46Não que alguém já tenha visto o Pai. Só aquele que vem de junto de Deus viu o Pai. 47Em verdade, em verdade vos digo, quem crê possui a vida eterna. 48Eu sou o pão da vida. 49Os vossos pais comeram o maná no deserto e, no entanto, morreram. 50Eis aqui o pão que desce do céu: quem dele comer, nunca morrerá. 51Eu sou o pão vivo descido do céu. Quem comer deste pão viverá eternamente. E o pão que eu darei é a minha carne dada para a vida do mundo".

- Palavra da salvação
- Glória a Vós, Senhor


Comentário ao Evangelho do dia feito por Santa Teresa de Ávila
(1515-1582), carmelita, Doutora da Igreja
Caminho de Perfeição, cap. 33-34 (Obras completas, Edições Carmelo, 2000)

«Este é o pão que desce do Céu; se alguém comer
dele, não morrerá»
Vendo o bom Jesus a necessidade, buscou um meio admirável por onde nos mostrou o máximo de amor que nos tem, e em Seu nome e no de Seus irmãos fez esta petição: «O pão nosso de cada dia nos dai hoje» (Mt 6,11). [...] Era mister vermos o Seu [amor] para despertarmos, e isto não uma vez, mas cada dia; por isso Se deve ter determinado a ficar connosco. [...]
Tenho reparado que só nesta petição duplica as palavras, porque diz primeiro e pede que Lhe deis este pão de cada dia, e torna a dizer: «dai-no-lo hoje, Senhor». Põe-Se diante de Seu Pai, como a dizer-Lhe: já que uma vez no-Lo deu para que morresse por nós, já que é «nosso», não no-Lo torne a tirar, mas O deixe servir cada dia, até se acabar o mundo. [...] O Ele ser nosso cada dia é porque O possuímos aqui na terra e O possuiremos também no céu, se nos aproveitarmos bem da Sua companhia. [...]
O dizer «hoje» me parece que é para um dia, isto é, enquanto durar o mundo, e não mais. E é bem verdade que é um só dia! [...] E assim Lhe diz Seu Filho que, pois não é mais que um dia, Lho deixe passar em servidão; e que Sua Majestade já no-Lo deu e enviou ao mundo só por Sua vontade, que Ele quer agora por Sua própria vontade não nos desamparar, mas ficar-Se aqui connosco para maior glória de Seus amigos e pena de Seus inimigos. Que agora novamente não pede mais que «hoje» ao dar-nos este Pão sacratíssimo; Sua Majestade no-Lo deu para sempre, como já disse, este mantimento e maná da humanidade, que O achamos como queremos; e, a não ser por nossa culpa, não morreremos de fome, pois de todos os modos e maneiras que a alma quiser comer, achará no Santíssimo Sacramento sabor e consolação.

segunda-feira, 23 de abril de 2012

LITURGIA DIÁRIA




 SANTO DO DIA: Santo Adalberto de Praga, Bispo e Mártir; São Geraldo de Toul, Bispo; São Jorge, mártir
Primeira leitura: Ato dos Apóstolos 6,8-15
Leitura dos Atos dos Apóstolos:

Naqueles dias, 8Estêvão, cheio de graça e poder, fazia prodígios e grandes sinais entre o povo. 9Mas alguns membros da chamada Sinagoga de Libertos, junto com cirenenses e ale­xandrinos, e alguns da Cilícia e da Ásia, começaram a discutir com Estêvão. 10Porém, não conseguiam resistir à sabedoria e ao Espírito com que ele falava. 11Então subornaram alguns indivíduos, que disseram: "Ouvimos este homem dizendo blasfêmias contra Moi­sés e contra Deus". 12Desse modo, incitaram o povo, os anciãos e os doutores da Lei, que prenderam Estêvão e o conduziram ao Siné­drio. 13Aí apresentaram falsas testemunhas, que diziam: "Este homem não cessa de falar contra este lugar santo e contra a Lei. 14E nós o ouvimos afirmar que Jesus Nazareno ia destruir este lugar e ia mudar os costumes que Moisés nos transmitiu". 15Todos os que estavam sentados no Sinédrio tinham os olhos fixos sobre Estêvão, e viram seu rosto como o rosto de um anjo.

- Palavra do Senhor
- Graças a Deus

SALMO 119
- Que os poderosos reunidos me condenem; o que me importa é o vosso julgamento! Minha alegria é a vossa Aliança, meus conselheiros são os vossos mandamentos.

R: Feliz é quem na lei do Senhor Deus vai progredindo.

Eu vos narrei a minha sorte e me atendestes, ensinai-me, ó Senhor, vossa vontade! Fazei-me conhecer vossos caminhos, e então meditarei vossos prodígios!
R: Feliz é quem na lei do Senhor Deus vai progredindo.

- Afastai-me do caminho da mentira e dai-me a vossa lei como um presente! Escolhi seguir a trilha da verdade, diante de mim eu coloquei vossos preceitos.
R: Feliz é quem na lei do Senhor Deus vai progredindo.

Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 6,22-29
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João:
Depois que Jesus saciara os cinco mil homens, seus discípulos o viram andando sobre o mar. 22No dia seguinte, a multidão que tinha ficado do outro lado do mar constatou que havia só uma barca e que Jesus não tinha subido para ela com os discípulos, mas que eles tinham partido sozinhos. 23Entretanto, tinham chegado outras barcas de Tiberíades, perto do lugar onde tinham comido o pão depois de o Senhor ter dado graças. 24Quando a multidão viu que Jesus não estava ali, nem os seus discípulos, subiram às barcas e foram à procura de Jesus, em Cafarnaum. 25Quando o encontraram no outro lado do mar, perguntaram-lhe: "Rabi, quando chegaste aqui?" 26Jesus respondeu: "Em verdade, em verdade, eu vos digo: estais me procurando não porque vistes sinais, mas porque comestes pão e ficastes satisfeitos. 27Esforçai-vos não pelo alimento que se perde, mas pelo alimento que permanece até a vida eterna, e que o Filho do homem vos dará. Pois este é quem o Pai marcou com seu selo". 28Então perguntaram: "Que devemos fazer para realizar as obras de Deus?" 29Jesus respondeu: "A obra de Deus é que acrediteis naquele que ele enviou".

- Palavra da salvação
- Glória a Vós, Senhor.

Comentário ao Evangelho do dia feito por Santa Faustina Kowalska (1905-1938)
Religiosa, Diário, § 1323 (Fátima, 2003)

«A obra de Deus é esta: crer ´'Aquele que Ele enviou»
Inclino-me, Pão dos Anjos, diante de Vós,
Com profunda fé, esperança, caridade,
E do fundo da minha alma glorifico-Vos
Embora eu nada seja senão nulidade.

Inclino-me diante de Vós, Deus ocultado,
E adoro-Vos de todo o meu coração,
Não me impedindo o mistério velado,
Amo-Vos como os do céu, em eleição.

Inclino-me diante de Vós, Cordeiro divino,
Que os pecados da minha alma tirais,
Em meu coração sois alimento matutino,
Vós que, para a salvação, me ajudais.

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Reflexão - Jo 6, 1-15

O capítulo sexto do evangelho de São João é reservado para o discurso sobre o sacramento da Eucaristia, e Jesus, no uso da sua pedagogia, prepara os judeus para esse discurso através da multiplicação dos pães. A prática pedagógica de Jesus deve ser o grande iluminativo para a nossa prática missionária, pastoral e evangelizadora. Nós devemos anunciar o evangelho a partir da realidade das pessoas, de suas experiências de vida, dos seus valores e das suas expectativas. Antes de anunciar a Palavra de Deus, precisamos criar a necessidade dela no coração das pessoas como Jesus, que a partir da necessidade do pão, cria a necessidade do pão da vida eterna.

LITURGIA DIÁRIA

SANTO DO DIA: Santa Inês de Montepulciano, virgem; Beato Hugo de Anzy, Confessor; São Marcelino de Embrun, Bispo
Primeira leitura: Ato dos Apóstolos 5,34-42
Leitura dos Atos dos Apóstolos:

Naqueles dias, 34um fariseu chamado Gamaliel, levantou-se no Siné­drio. Era mestre da Lei e todo o povo o estimava. Gamaliel mandou que os acusados saíssem por um instante. 35Depois disse: "Homens de Israel, vede bem o que estais para fazer contra esses homens. 36Algum tempo atrás apareceu Teu­das, que se fazia passar por uma pessoa importante, e a ele se juntaram cerca de quatrocentos homens. Depois ele foi morto e todos os que o seguiam debandaram, e nada restou. 37Depois dele, no tempo do recenseamento, apareceu Judas, o galileu, que arrastou o povo atrás de si. Contudo, também ele morreu e todos os seus seguidores se dispersaram. 38Quanto ao que está acontecendo agora, dou-vos um conselho: não vos preocupeis com esses homens e deixai-os ir embora. Porque, se este projeto ou esta atividade é de origem humana será des­truído. 39Mas, se vem de Deus, vós não conseguireis eliminá-los. Cuidado para não vos pordes em luta contra Deus!" E os membros do Sinédrio aceitaram o parecer de Gamaliel. 40Chamaram então os apóstolos, mandaram açoitá-los, proibiram que eles falassem em nome de Jesus, e depois os soltaram. 41Os apóstolos saíram do Conselho muito contentes por terem sido considerados dignos de injúrias, por causa do nome de Jesus. 42E cada dia, no Templo e pelas casas, não cessavam de ensinar e anunciar o evangelho de Jesus Cristo.

- Palavra do Senhor
- Graças a Deus
SALMO 27
O Senhor é minha luz e salvação; de quem eu terei medo? O Senhor é a proteção da minha vida; perante quem eu temerei?
R: Ao Senhor eu peço apenas uma coisa: habitar no santuário do Senhor.

- Ao Senhor eu peço apenas uma coisa, e é só isto que eu desejo: habitar no santuário do Senhor por toda a minha vida; saborear a suavidade do Senhor e contemplá-lo no seu templo.
R: Ao Senhor eu peço apenas uma coisa: habitar no santuário do Senhor.

- Sei que a bondade do Senhor eu hei de ver na terra dos viventes. Espera no Senhor e tem coragem, espera no Senhor!
R: Ao Senhor eu peço apenas uma coisa: habitar no santuário do Senhor.

Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 6,1-15
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João:
Naquele tempo, 1Jesus foi para o outro lado do mar da Galiléia, também chamado de Tiberíades. 2Uma grande multidão o seguia, porque via os sinais que ele operava a favor dos doentes. 3Jesus subiu ao monte e sentou-se aí, com seus discípulos. 4Estava próxima a Páscoa, a festa dos judeus. 5Levantando os olhos, e vendo que uma grande multidão estava vindo ao seu encontro, Jesus disse a Filipe: "Onde vamos comprar pão para que eles possam comer?" 6Disse isso para pô-lo à prova, pois ele mesmo sabia muito bem o que ia fazer. 7Filipe respondeu: "Nem duzentas moedas de prata bastariam para dar um pedaço de pão a cada um". 8Um dos discípulos, André, o irmão de Simão Pedro, disse: 9"Está aqui um menino com cinco pães de cevada e dois peixes. Mas o que é isso para tanta gente?" 10Jesus disse: "Fazei sentar as pessoas". Havia muita relva naquele lugar, e lá se sentaram, aproximadamente, cinco mil homens. 11Jesus tomou os pães, deu graças e distribuiu-os aos que estavam sentados, tanto quanto queriam. E fez o mesmo com os peixes. 12Quando todos ficaram satisfeitos, Jesus disse aos discípulos: "Recolhei os pedaços que sobraram, para que nada se perca!" 13Recolheram os pedaços e encheram doze cestos com as sobras dos cinco pães, deixadas pelos que haviam comido. 14Vendo o sinal que Jesus tinha realizado, aqueles homens exclamavam: "Este é verdadeiramente o Profeta, aquele que deve vir ao mundo". 15Mas, quando notou que estavam querendo levá-lo para proclamá-lo rei, Jesus retirou-se de novo, sozinho, para o monte.

- Palavra da salvação
- Glória a Vós, Senhor.

Comentário ao Evangelho do dia feito por Catecismo da Igreja Católica - §§1333-1335

«Era um pouco antes da Páscoa, que é a grande festa dos judeus»
Encontram-se no cerne da celebração da Eucaristia o pão e o vinho, os quais, pelas palavras de Cristo e pela invocação do Espírito Santo, se tornam o Corpo e o Sangue de Cristo. Fiel à ordem do Senhor, a Igreja continua fazendo, em Sua memória, até à Sua volta gloriosa, o que Ele fez na véspera da Sua Paixão: «Tomou o pão», «Tomou o cálice cheio de vinho». Ao tornarem-se misteriosamente o Corpo e o Sangue de Cristo, os sinais do pão e do vinho continuam a significar também a bondade da criação. Assim, no ofertório damos graças ao Criador pelo pão e pelo vinho, fruto «do trabalho do homem», mas antes «fruto da terra» e «da videira», dons do Criador. A Igreja vê neste gesto de Melquisedec, rei e sacerdote que «trouxe pão e vinho» (Gn 14,18), uma prefiguração de sua própria oferta.
Na antiga aliança, o pão e o vinho são oferecidos em sacrifício entre as primícias da terra, em sinal de reconhecimento ao Criador. Mas eles recebem também um novo significado no contexto do êxodo: os pães ázimos que Israel come cada ano na Páscoa comemoram a pressa da partida libertadora do Egipto; a recordação do maná do deserto há-de lembrar sempre a Israel que ele vive do pão da Palavra de Deus. Finalmente, o pão de todos os dias é o fruto da Terra Prometida, penhor da fidelidade de Deus às Suas promessas. O «cálice de bênção» (1Cor 10,16), no fim da refeição pascal dos judeus, acrescenta à alegria festiva do vinho uma dimensão escatológica: a da espera messiânica do restabelecimento de Jerusalém. Jesus instituiu a Sua Eucaristia dando um sentido novo e definitivo à bênção do Pão e do Cálice.
O milagre da multiplicação dos pães, quando o Senhor proferiu a bênção, partiu e distribuiu os pães a Seus discípulos para alimentar a multidão, prefigura a superabundância deste único pão de Sua Eucaristia. O sinal da água transformada em vinho em Caná já anuncia a hora da glorificação de Jesus. Manifesta a realização da ceia das bodas no Reino do Pai, onde os fiéis beberão o vinho novo, transformado no Sangue de Cristo.

HOMENS DO TERÇO DA IGREJA DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS VISITA CAPELA DE N S DA CONCEIÇÃO

Os Homens do Terço da Igreja de São Francisco de Assis em Lajes Pintadas, estiveram nesta última quinta-feira (19 de abril) em visita de oração a comunidade do Boqueirão, com o objetivo de formar um grupo de homens do terço na referida comunidade.

É preciso obedecer a Deus antes que aos homens. (Jo 3, 31-36 )
Não manipule a palavra. Quem ama a Deus o obedece. É preciso ter obediência também a quem tem responsabilidade sobre nós, mas sem desobedecer a Deus. Quem obedece em coisas erradas por medo ou para agradar, trai a Deus, aos outros e a si mesmo. Se teu amigo, ou teu grupo, decidirem pelo erro, tenha coragem para fazer o certo. Deus age na vida de quem ama e é fiel.















 Fotos: Gilceane Barros Preto 24horas

quinta-feira, 19 de abril de 2012

LITURGIA DIÁRIA

SANTO DO DIA: São Leão IX, Papa; Beato Conrado de Ascoli; Santo Álfego
Primeira leitura: Atos dos Apóstolos 5,27-33
Leitura dos Atos dos Apóstolos:

Naqueles dias, 27eles levaram os apóstolos e os apresentaram ao Sinédrio. O sumo sacerdote começou a interrogá-los, 28dizendo: "Nós tínhamos proibido expressamente que vós ensinásseis em nome de Jesus. Apesar disso, enchestes a cidade de Jerusalém com a vossa doutrina. E ainda nos quereis tornar responsáveis pela morte desse homem!" 29Então Pedro e os outros apóstolos responderam: "É preciso obedecer a Deus, antes que aos homens. 30O Deus de nossos pais ressuscitou Jesus, a quem vós ma­tastes, pregando-o numa cruz. 31Deus, por seu poder, o exaltou, tornando-o Guia Supremo e Salvador, para dar ao povo de Israel a conversão e o perdão dos seus pecados. 32E disso somos testemunhas, nós e o Espírito Santo, que Deus concedeu àqueles que a Ele obedecem". 33Quando ouviram isto, ficaram furiosos e queriam matá-los.

- Palavra do Senhor
- Graças a Deus

SALMO 34
Bendirei o Senhor Deus em todo o tempo, seu louvor estará sempre em minha boca. Provai e vede quão suave é o Senhor! Feliz o homem que tem nele o seu refúgio!
R: Este infeliz gritou a Deus, e foi ouvido.

- Mas ele volta a sua face contra os maus, para da terra apagar sua lembrança. Clamam os justos, e o Senhor bondoso escuta e de todas as angústias os liberta.
R: Este infeliz gritou a Deus, e foi ouvido.

- Do coração atribulado ele está perto e conforta os de espírito abatido. Muitos males se abatem sobre os justos, mas o Senhor de todos eles os liberta.
R: Este infeliz gritou a Deus, e foi ouvido.

Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 3, 31-36
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João:
31"Aquele que vem do alto está acima de todos. O que é da terra, pertence à terra e fala das coisas da terra. Aquele que vem do céu está acima de todos. 32Dá testemunho daquilo que viu e ouviu, mas ninguém aceita o seu testemunho. 33Quem aceita o seu testemunho atesta que Deus é verdadeiro. 34De fato, aquele que Deus enviou fala as palavras de Deus, porque Deus lhe dá o espírito sem medida. 35O Pai ama o Filho e entregou tudo em sua mão. 36Aquele que acredita no Filho possui a vida eterna. Aquele, porém, que rejeita o Filho não verá a vida, pois a ira de Deus permanece sobre ele".

- Palavra da salvação
- Glória a Vós, Senhor.

Comentário ao Evangelho do dia feito por
São Vicente de Paulo (1581-1660), presbítero, fundador de comunidades religiosas
Exercício espiritual de 19/01/1642

«Aquele que Deus enviou transmite as palavras de Deus, porque dá o Espírito sem medida»
Deus dá-nos as Suas graças segundo as necessidades que temos. Deus é uma fonte à qual todos vão buscar água segundo as suas necessidades. Como uma pessoa que precisa de seis baldes e traz seis; de três, três; um pássaro que não precise mais do que um golo e é isso que toma; ou um peregrino que sacia a sede com uma mão cheia de água. Acontece-nos o mesmo em relação a Deus.
Devemos sentir uma profunda emoção quando nos fidelizamos à leitura de um capítulo do Novo Testamento e produzimos os correspondentes actos: de adoração, adorando a palavra de Deus e a Sua verdade; entrando nos sentimentos com os quais Nosso Senhor os pronunciou e aceitando essas verdades; decidindo praticar essas mesmas verdades. [...] Devemos sobretudo evitar ler por uma questão de estudo, dizendo: «Esta passagem vai servir-me para esta ou aquela prédica», mas ler apenas para nosso desenvolvimento.
Não nos devemos sentir desencorajados se, depois de o ler várias vezes, um mês, dois meses, seis meses, não nos sentimos tocados. Acontece que um dia veremos uma pequena luz, noutro dia uma maior, e uma maior ainda quando tivermos necessidade dela. Uma só palavra é capaz de nos converter; basta uma.

AMIGOS DA PALAVRA

É preciso obedecer a Deus antes que aos homens. (Jo 3, 31-36 )

Não manipule a palavra. Quem ama a Deus o obedece. É preciso ter obediência também a quem tem responsabilidade sobre nós, mas sem desobedecer a Deus. Quem obedece em coisas erradas por medo ou para agradar, trai a Deus, aos outros e a si mesmo. Se teu amigo, ou teu grupo, decidirem pelo erro, tenha coragem para fazer o certo. Deus age na vida de quem ama e é fiel.

EXISTE DOIS MODELOS PARA FIGIR SEGUIR JESUS






“Nem todo aquele que me diz Senhor, Senhor entrará no Reino dos Céus, mas sim aquele que pratica a vontade de meu Pai que está nos céus. Muitos são chamados, mas poucos escolhidos” (Mt 7,21; 22, 14).  

OS DOIS MODELOS
 
         O falso religioso que passa como seguidor de Jesus Cristo tem dois modelos de conquistar e enganar o povo.
         O primeiro: mostra ser carismático, no entanto, não tem caráter e nem os carismas. Aparenta ser popular, amigo e amoroso, na verdade é um lobo vestido de pele de velha.
         O segundo: apresenta-se com ar de autoridade, de firmeza na fé, segurança e fidelidade na Sagrada Doutrina. Defende com ferro e fogo os valores morais, a família e a religião. Aparece como salvador da pátria e se mostra bastante corajoso. Parece falar pouco, simula ser equilibrado, calmo e tranquilo, porém, tudo vai ser revelado sobre ele, porque na convivência ele fala demais no vocabulário de mandar, impor e não gosta de ouvir e nem tão pouco de obedecer.
         Quando é descoberta a sua identidade, e ele é rejeitado com os seus projetos é aí que aparece a sua intolerância com um desequilíbrio fulminante e um ser violento em potencial. É bom ressaltar que os dois modelos são hoje o reality show no campo religioso.
         Jamais esses modelos enganam os verdadeiros seguidores de Jesus Cristo, aqueles que são guiados pelo Divino Espírito Santo.
 
                                       CONCLUSÃO
 
         Nosso Senhor Jesus Cristo ensinou: “Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração” (Mt 11, 29). Aprender com Jesus é viver a graça, a fé, a verdade e o amor de Deus. A meta é a vida eterna. Vivendo a consciência da salvação da alma e liberto da ganância dos bens terrenos, caminhamos como sal da terra e luz do mundo. A visão maior do seguidor de Cristo é as mansões celestiais. O nosso tesouro se encontra lá.
         Seguir Jesus é amar o projeto do Reino de Deus. É ter respeito por si e pela dignidade da pessoa humana. É ser autêntico, ser honesto, é ser cristão arrependido de seus pecados e procurando sempre crescer no amor e na amizade dos irmãos e na comunhão do Pai celestial.
         Seguir Jesus é praticar boas obras, promover a justiça social pregar a comunhão fraterna e a caridade para com todos.
         O jugo de Jesus Cristo é o AMOR. No amor do Mestre de Nazaré só há espaço para servo, para simplicidade, humildade e a divina misericórdia. Reina no coração do seguidor de Cristo a compaixão a piedade e o santo temor de Deus.
 
Pe. Inácio José do Vale
Escritor e Conferencista
Professor de História da Igreja
Especialista em Ciência Social da Religião  

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Começa em Aparecida a 50ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasileira

Aparecida (Quarta-feira, 18-04-2012, Gaudium Press) Teve início oficialmente nesta quarta-feira, 18, a 50ª edição da Assembleia Geral dos Bispos do Brasil. O evento, que segue até o dia 26 de abril, na cidade de Aparecida, São Paulo, começou com missa presidida pela arcebispo de Aparecida e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Cardeal Dom Raymundo Damasceno Assis. A cerimônia contou com a presença dos 335 bispos que participarão do encontro.
assembleia geral.jpg
Dom Raymundo pediu que prelados rezassem a Deus, para que a assembleia fosse conduzida pelo Espírito
Em sua homilia, inicialmente, Dom Raymundo pediu que todos os prelados presentes rezassem a Deus, para que a assembleia fosse conduzida pelo Espírito Santo. Em suas palavras iniciais, o purpurado ainda saudou o Papa Bento XVI pelo seu aniversário de 85 anos e pelo aniversário de 7 anos de pontificado, recordando que este último será comemorado no dia 24 de abril.
O prelado destacou também aos participantes as datas importantes que estão sendo lembradas pelo Assembleia Geral dos Bispos do Brasil. São elas: o aniversário de 60 anos da CNBB, que será comemorado no dia 14 de outubro deste ano; o jubileu de 50 anos do início dos trabalhos do Concílio Vaticano II; o 20º aniversário da promulgação do catecismo da Igreja Católica; além do Ano da Fé, que marcará 2012, e o Sínodo dos Bispos sobre a Nova Evangelização, que acontecerá também no mês de outubro em Roma.
Recordadas as datas importantes da Igreja para este ano, Dom Raymundo afirmou que o tempo litúrgico da Páscoa será o pano de fundo da realização da Assembleia e teceu comentários sobre o tema "A Palavra de Deus na vida e missão da Igreja" da Assembleia Geral deste ano. Neste sentido, o arcebispo declarou que "o amor de Deus deve fortalecer o compromisso de todos com o objetivo de evangelizar, a partir de Jesus Cristo e na força do Espírito Santo, como Igreja discípula, missionária e profética, alimentada pela Palavra de Deus e pela Eucaristia, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, para que todos tenham vida (cf Jo 10, 10), rumo ao Reino definitivo".

Momentos solenes
Conforme a CNBB, além de suas atividades corriqueiras como debates e eleições, a 50ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil contará com dois momentos solenes: um acontecerá amanhã, 19, na sessão das 18h, e o outro na última sessão da próxima segunda-feira, no dia 23.
No primeiro, será feita uma homenagem ao jubileu de 50 assembleias realizadas pelo episcopado do país. Conforme a CNBB, este número reforça a importância que cada um destes encontros teve para o fortalecimento da colegialidade episcopal e da animação da ação evangelizadora da Igreja no Brasil. Já o segundo momento, homenageará os 50 anos do início dos trabalhos do Concílio Vaticano II.
A CNBB informa também que no penúltimo dia de evento, 25 de abril, os bispos presentes em Aparecida receberão informações mais detalhadas sobre a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) que acontecerá no Rio de Janeiro em julho de 2013. As informações, que mostrarão o caminho percorrido na preparação do evento, virão através de relatório feito por um comissão especialmente convocada pela CNBB e pela a Arquidiocese do Rio de Janeiro.

Demais pautas da Assembleia
Além do tema central, a Assembleia Geral da CNBB será destinada à discussão de diversos temas de grande relevância para a Igreja do país. Entre eles estão: o Fundo da Solidariedade, os 20 anos do Catecismo da Igreja; e a preparação para a 5ª Semana Social Brasileira.
O evento contará ainda com a exposições feitas pelas Comissões para a Amazônia e da Ação Missionária, e votações para delegados do Sínodo dos Bispos. Na ocasião serão eleitos, quatro representantes e dois suplentes para participar do evento que acontecerá em Roma.

Com informações da CNBB.

LITURGIA DIÁRIA

SANTO DO DIA: Beato André Hibernon, Confessor; Beato José Moreau, presbítero e mártir
Primeira leitura: Atos dos Apóstolos 5,17-26
Leitura dos Atos dos Apóstolos:

Naqueles dias, 17levantaram-se o sumo sacerdote e todos os do seu partido - isto é, o partido dos saduceus - cheios de raiva e mandaram prender os apóstolos e lançá-los na cadeia pública. 19Porém, durante a noite, o anjo do Senhor abriu as portas da prisão e os fez sair, dizendo: 20"Ide falar ao povo, no Templo, sobre tudo o que se refere a este modo de viver". 21Eles obedeceram e, ao amanhecer, entraram no Templo e começaram a ensinar. O sumo sacerdote chegou com seus partidários e convocou o Sinédrio e o Conselho formado pelas pessoas importantes do povo de Israel. Então mandaram buscar os apóstolos na prisão. 22Mas, ao chegarem à prisão, os servos não os encontraram e voltaram dizendo: 23"Encontramos a prisão fechada, com toda segurança, e os guardas estavam a postos na frente da porta. Mas, quando abrimos a porta, não encontramos ninguém lá dentro". 24Ao ouvirem essa notícia, o chefe da guarda do Templo e os sumos sacerdotes não sabiam o que pensar e perguntavam-se o que poderia ter acontecido. 25Chegou alguém que lhes disse: "Os homens que vós pu­sestes na prisão estão no Templo ensinando o povo!" 26Então o chefe da guarda do Templo saiu com os guardas e trouxe os apóstolos, mas sem violência, porque eles tinham medo que o povo os atacasse com pedras.

- Palavra do Senhor
- Graças a Deus

SALMO 34

- Bendirei o Senhor Deus em todo o tempo, seu louvor estará sempre em minha boca. Minha alma se gloria no Senhor; que ouçam os humildes e se alegrem!
R: Este infeliz gritou a Deus, e foi ouvido.

Comigo engrandecei ao Senhor Deus, exaltemos todos juntos o seu nome! Todas as vezes que o busquei, ele me ouviu, e de todos os temores me livrou.
R: Este infeliz gritou a Deus, e foi ouvido.

- Contemplai a sua face e alegrai-vos, e vosso rosto não se cubra de vergonha! Este infeliz gritou a Deus, e foi ouvido, e o Senhor o libertou de toda angústia.
R: Este infeliz gritou a Deus, e foi ouvido.

- O anjo do Senhor vem acampar ao redor dos que o temem, e os salva. Provai e vede quão suave é o Senhor! Feliz o homem que tem nele o seu refúgio!
R: Este infeliz gritou a Deus, e foi ouvido.

Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 3, 16-21
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João:
16Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, para que não morra todo o que nele crer, mas tenha a vida eterna. 17De fato, Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele. 18Quem nele crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado, porque não acreditou no nome do Filho unigênito.19Ora, o julgamento é este: a luz veio ao mundo, mas os homens preferiram as trevas à luz, porque suas ações eram más. 20Quem pratica o mal odeia a luz e não se aproxima da luz, para que suas ações não sejam denunciadas. 21Mas quem age conforme a verdade aproxima-se da luz, para que se manifeste que suas ações são realizadas em Deus.

- Palavra da salvação
- Glória a Vós, Senhor.

Comentário ao Evangelho do dia feito por
Bem-aventurado João Paulo II
Encíclica «Dives in misericordia», § 7

«Todo aquele que n'Ele crê não perece, mas tem a vida eterna»
Que nos ensina a cruz de Cristo que é, em certo sentido, a última palavra da Sua mensagem e da Sua missão messiânica? Em certo sentido - note-se bem -, porque não é ela ainda a última palavra da Aliança de Deus. A última palavra seria pronunciada na madrugada, quando, primeiro as mulheres e depois os Apóstolos, ao chegarem ao sepulcro de Cristo crucificado o vão encontrar vazio, e ouvem pela primeira vez este anúncio: «Ressuscitou». Depois, repetirão aos outros tal anúncio e serão testemunhas de Cristo Ressuscitado.

Mas, mesmo na glorificação do Filho de Deus, continua a estar presente a Cruz que, através de todo o testemunho messiânico do Homem-Filho que nela morreu, fala e não cessa de falar de Deus-Pai, que é absolutamente fiel ao Seu eterno amor para com o homem, pois que «amou tanto o mundo - e portanto, o homem no mundo - que lhe deu o Seu Filho unigénito para que todo aquele que n'Ele crer não pereça, mas tenha a vida eterna».

Crer no Filho crucificado significa «ver o Pai» (Jo 14,9), significa crer que o amor está presente no mundo e que o amor é mais forte do que toda a espécie de mal em que o homem, a humanidade e o mundo estão envolvidos. Crer neste amor significa acreditar na misericórdia. Esta é, de facto, a dimensão indispensável do amor, é como que o seu segundo nome e, ao mesmo tempo, é o modo específico da sua revelação e actuação perante a realidade do mal que existe no mundo, que assedia e atinge o homem, que se insinua mesmo no seu coração e o «pode fazer perecer, na Geena» (Mt 10,28).

terça-feira, 17 de abril de 2012

HOMENS DO TERÇO DE LAJES PINTADAS VISITA MAIS UMA COMUNIDADE ESTA SEMANA


Os Homens do Terço da cidade de Lajes Pintadas estiveram nesta última terça-feira (16 de abril) em visita de oração a comunidade do Catolé, com o objetivo de formar um grupo de homens do terço na referida comunidade. 

 Em nenhum outro há salvação. (At 4, 1-12 ) - Nos momentos difíceis, faça como os apóstolos: Renove a sua confiança nEle. Pai, mãe, esposa, esposo, filhos... não são capazes de salvar a sua vida. Ponha a sua confiança em Deus. Quem confia em Deus põe a Palavra em prática. 
Fotos: José Odorico

CONVITE


Movimento Apostólico de Schoenstatt

HOJE TERÇA-FEIRA (17 DE ABRIL), ÀS 19:00h - NA CAPELA DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO (COMUNIDADE DE BARROS PRETO) - ACONTECERÁ A CELEBRAÇÃO DO TERÇO NA COMUNIDADE. PELO O GRUPO DE ORAÇÃO TERÇO DOS HOMENS "MÃE RAINHA" DA IGREJA DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS DE LAJES PINTADAS-RN.

VENHA PARTICIPAR DESTE MOMENTO DE FÉ E GRANDE JÚBILO PARA TODO O POVO DE DEUS, CELEBRANDO CONOSCO NESTE TEMPO DE ALEGRIA PASCAL, A DEVOÇÃO À VIRGEM IMACULADA: MÃE DA IGREJA E NOSSA MÃE!

LITURGIA DIÁRIA

SANTO DO DIA: São Roberto de Chaise-Dieu, Abade; Beata Maria Ana de Jesus Navarro de Guevara, religiosa
Primeira leitura: Atos dos Apóstolos 4,32-37
Leitura dos Atos dos Apóstolos:

32A multidão era um só coração e uma só alma. Ninguém considerava como próprias as coisas que possuía, mas tudo entre eles era posto em comum. 33Com grandes sinais de poder, os apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus. E os fiéis eram estimados por todos. 34Entre eles ninguém passava necessidade, pois aqueles que possuíam terras ou casas, vendiam-nas, levavam o dinheiro, 35e o colocavam aos pés dos apóstolos. Depois, era distribuído conforme a necessidade de cada um. 36José, chamado pelos apóstolos de Barnabé, que significa filho da consolação, levita e natural de Chipre, 37possuía um campo. Vendeu e foi depositar o dinheiro aos pés dos apóstolos.

- Palavra do Senhor
- Graças a Deus

SALMO 93
Deus é Rei e se vestiu de majestade, revestiu-se de poder e de esplendor!
R: Reina o Senhor, revestiu-se de esplendor.

Vós firmastes o universo inabalável, vós firmastes vosso trono desde a origem, desde sempre, ó Senhor, vós existis!
R: Reina o Senhor, revestiu-se de esplendor.

Verdadeiros são os vossos testemunhos, refulge a santidade em vossa casa, pelos séculos dos séculos, Senhor!
R: Reina o Senhor, revestiu-se de esplendor.

Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 3, 7b-15
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João:
Naquele tempo, disse Jesus a Nicodemos: 7b"Vós deveis nascer do alto. 8O vento sopra onde quer e tu podes ouvir o seu ruído, mas não sabes de onde vem, nem para onde vai. Assim acontece a todo aquele que nasceu do Espírito". 9Nicodemos perguntou: "Co­mo é que isso pode acontecer?" 10Respondeu-lhe Jesus: "Tu és mestre em Israel, mas não sabes estas coisas? 11Em verdade, em verdade, te digo, nós falamos daquilo que sabemos e damos testemunho daquilo que temos visto, mas vós não aceitais o nosso testemunho. 12Se não acre­ditais, quando vos falo das coisas da terra, como acreditareis se vos falar das coisas do céu? 13E ninguém subiu ao céu, a não ser aquele que desceu do céu, o Filho do Homem. 14Do mesmo modo como Moisés levantou a serpente no deserto, assim é necessário que o Filho do Homem seja levantado, 15para que todos os que nele crerem tenham a vida eterna".

- Palavra da salvação
- Glória a Vós, Senhor

Comentário ao Evangelho do dia feito por
Santa Teresa Benedita da Cruz (1891-1942), carmelita, mártir, co-padroeira da Europa
Poesia «Noite Santa»

«A fim de que todo o que n'Ele crê tenha a vida eterna»
Meu Senhor e meu Deus,
Tu me guiaste por um longo e obscuro caminho, pedregoso e duro.
Estava quase já sem forças, tanto que não esperava mais ver a luz do dia.
O meu coração estava duro como pedra devido ao sofrimento
Quando, diante dos meus olhos, se levantou a claridade suave duma estrela
E me guiou, fiel, e eu segui-a, primeiro com passos tímidos, depois mais seguros.
E cheguei por fim à porta da Igreja,
Que se abriu, e pedi para entrar.
Fui acolhida pela Tua bênção proferida pelo Teu sacerdote.
No seu interior sucedem-se as estrelas,
Estrelas de flores vermelhas que me indicam o caminho até Ti,
Que a Tua bondade permite que me conduzam no meu caminho até Ti.
O mistério que me faltava guardar, escondido no íntimo do coração,
Agora posso finalmente anunciá-lo em alta voz:
Eu creio, e confesso a minha fé!
O sacerdote conduz-me aos degraus do altar,
Inclino a cabeça, e a água santa escorre pela fronte abaixo.

Senhor, será possível renascer uma vez passada metade da vida (Jo 3,4)?
Assim o disseste, e para mim tornou-se realidade.
Já não sinto o peso das faltas e das minhas penas dessa vida longa.
De pé, recebi sobre os ombros o manto branco,
Símbolo luminoso da pureza.
Trouxe à mão o círio cuja chama anuncia a Tua vida santa a brilhar em mim.
E o meu coração transformou-se na manjedoura que por Ti espera.
Por pouco tempo!
Maria, Tua Mãe, e também minha, deu-me o nome.
À meia-noite depõe no meu coração o seu bebé, recém-nascido.
Oh! Não há coração humano que possa imaginar
O que Tu preparas para aqueles que Te amam (1Cor 2,9).
És meu para sempre e nunca Te deixarei.
Seja qual for o caminho que venha a trilhar estás sempre comigo.
E nada mais poderá separar-me do Teu amor (Rm 8,39).